Joseph Shafan

"Então uma voz se elevou do abismo. Era o grito da Luz"  Visão de Hermes

Textos

O caos da Educação no Estado de São Paulo
 
Tudo começa pela Lei Complementar N.º 836, de 30 de dezembro de 1997, assinada pelo governador Mario Covas, que constitui o Quadro do Magistério. Nela, o artigo 4° estabelece que o Quadro do Magistério é constituído das seguintes classes: I - classes de docentes: a) Professor Educação Básica I; b) Professor Educação Básica II; e II - classes de suporte pedagógico: a) Diretor de Escola; b) Supervisor de Ensino; c) Dirigente Regional de Ensino. Mas (o que se tornará comum nesta “matéria”), o artigo 5º traz que “além das classes previstas no artigo anterior, haverá na unidade escolar postos de trabalho destinados às funções de Professor Coordenador e às funções de Vice-Diretor de Escola”. (Fico aqui imaginando os “porquês” de num artigo se afirmar que “o Quadro do Magistério é constituído” etc para no artigo seguinte fazer-se uma ressalva ao que foi exposto logo antes; na “base” o Caos já se “constitui”).
O tragicômico é que “a coisa” piora: o artigo 6º preceitua “os integrantes das classes de docentes exercerão suas atividades na seguinte conformidade: I - Professor Educação Básica I, nas 1ª. à 4ª. séries do ensino fundamental; II - Professor Educação Básica II, no ensino fundamental e médio. Mas (olhe o “mas” já aqui, novamente) o parágrafo único do mesmo artigo traz “o Professor Educação Básica I poderá, desde que habilitado, ministrar aulas nas 5ª. à 8ª. séries do ensino fundamental, observado o disposto no artigo 37 desta lei (artigo criado apenas para estabelecer os vencimentos de uma, digamos “exceção-regra” cujo teor segue : “o Professor Educação Básica I que ministrar aulas nas 5ª a 8ª séries do ensino fundamental, na forma prevista no parágrafo único do artigo 6º desta lei complementar, terá a retribuição referente a essas aulas calculada com base no Nível I, Faixa 2, da Escala de Vencimentos - Classes Docentes”); e aqui qualquer ser racional se pergunta: porque diabos se estabelece algo para, como premissa, constituir exceção como regra? Só numa Mixórdia mesmo!.
O cidadão mais atento poderá perguntar se a Lei que estabelece do Quadro do Magistério define o número de alunos por classe ou a proporcionalidade de professores para um número necessário de alunos conforme a população do Estado, da Região ou da Cidade. A esse quesito, importantíssimo para a qualidade de ensino, a resposta é não! Outra pergunta que poderia surgir, se a Lei contempla acerca do número de professores efetivos versus temporários tem a mesma resposta: não!
A história se repete, pois temos o Decreto nº 42.965, de 27 de março de 1998 estabelecendo no artigo 2º que a “a carga horária do docente titular de cargo, que não excederá a 40 (quarenta) horas semanais, compõe-se de jornada de trabalho e carga suplementar”, mas (olhe o “mas” aqui de novo) no artigo 4º diz que “"além da jornada a que estiver sujeito, o docente titular de cargo poderá prestar carga suplementar de trabalho" etc. e que “o titular de cargo docente de Professor Educação Básica I habilitado poderá ministrar aulas da 5ª à 8ª séries do ensino fundamental e do ensino médio, a título de carga suplementar”; uma “gambiarra” notória. Mas (olhe quem está aqui!) a Lei Complementar Nº 1.094, de 16 de Julho de 2009 institui “a Jornada Integral de Trabalho Docente e a Jornada Reduzida de Trabalho Docente para os integrantes do Quadro do Magistério da Secretaria da Educação”, surgindo porém, a seguir o Decreto Nº 55.078, de 25 de Novembro de 2009, que embora revogue o Decreto nº 42.965, de 27 de março de 1998 (assinado pelo mesmo José Serra) referenda as “gambiarras” anteriores (é a Mixórdia Total!).
Afora mapas malucos em que apareciam dois Paraguais, um deles no lugar do Uruguai e o Equador tinha desaparecido do mapa, como também os “livros didáticos” permeados de violência e palavrões distribuídos pela Secretaria da Educação desde 2009.
Com tudo isso (e muito mais!) a Secretaria de Educação teve o desplante de emitir nota no dia 12 próximo passado em que afirma “A política educacional do Estado tem na valorização e no respeito aos professores o seu principal pressuposto, com a reorganização da carreira, a oferta de melhores condições de trabalho e incentivos para o aprimoramento profissional e a obtenção de melhores resultados”...
Poderíamos ficar aqui, até a exaustão, discorrendo essas insanidades emanadas pela administração do Estado de São Paulo, mas (oi!) para poupar um pouco o leitor vamos nos deter dessa relação, porque gostaria de chamar a atenção (àqueles que tiverem estômago e muita vontade de verificar ‘delírios’) para os requisitos contidos na Resolução SE n° 09/2010, pelos quais o governo José Serra se propõe a pagar a bagatela de R$ 1.500,00 por mês (parece brincadeira, mas (oi) não é!) ao cargo de Professor Educação Básica II: http://cidadaniaealegria.wordpress.com/2010/03/20/educacao-conforme-o-governo-de-sao-paulo-i/ .
 
Conforme a Apeoesp, 100 mil professores (48% do total) no Estado de São Paulo são temporários; a média dos salários pagos aos professores do Estado de São Paulo é R$ 1.400,00 (40 h/a) por mês; e “este governo gasta milhões em propagandas no rádio e na TV para apresentar mentiras à população. Onde estão as escolas com dois professores? Onde estão os laboratórios de informática abertos nos finais de semana com monitores? Temos de dar uma resposta à altura, chamando os pais dos alunos para conhecer nossas escolas, para que possam comparar com a ‘escola de mentirinha’ que Serra mostra na televisão.”



Joseph Shafan
Enviado por Joseph Shafan em 20/03/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras